All for Joomla All for Webmasters

ASTRAZENECA MOSTRA COMO DIVERSIDADE E INCLUSÃO IMPACTAM O CRESCIMENTO CORPORATIVO

Estabelecida no Brasil desde 1999, a AstraZeneca está situada em uma área de aproximadamente 60 mil metros quadrados, em Cotia, São Paulo, onde concentra sua sede administrativa e unidade fabril. A empresa está entre as biofarmacêuticas mais admiradas do mundo. Dos cientistas à equipe de vendas, dos técnicos de laboratório aos colaboradores da matriz, todos, em suas diferentes funções e departamentos, contribuem para transformar a vida de milhões de pessoas em todo o mundo.

A ambição da marca é melhorar a vida de 5,5 milhões de pacientes brasileiros até 2025. O que move a empresa é saber que seu trabalho leva esperança às pessoas, por meio de medicamentos inovadores que visam proporcionar sobrevida aos pacientes e melhor qualidade de vida durante o tratamento. Seu portfólio é sólido e seu pipeline inovador, com foco no tratamento de doenças em três principais linhas terapêuticas - oncologia, doenças cardiovasculares & metabólicas e respiratória.

“Na AstraZeneca Brasil trabalhamos diariamente para fazer a máxima diferença na saúde das pessoas, e somos apaixonados por isso. Nosso foco está em três áreas terapêuticas principais, nas quais sabemos que temos a capacidade de desenvolver os melhores tratamentos. Por isso, nossos times trabalham com base em nossos valores, e se empenham em desafiar os limites da ciência para disponibilizar medicamentos que possam transformar a vida de nossos pacientes. Afinal, para nós, o paciente está sempre em primeiro lugar”, fala o presidente da companhia, Fraser Hall.

Mulheres no comando

Em 2016, a AstraZeneca iniciou o desenvolvimento de algumas mulheres na companhia e, a partir de um levantamento sobre a população, percebeu que apenas 35% dos cargos executivos eram ocupados pelo gênero feminino. Por isso, em 2017, tornou-se signatária dos Sete Princípios do Empoderamento Feminino da ONU Mulheres, um compromisso que visa nortear as empresas na incorporação de valores e práticas que promovem equidade de gênero e empoderamento feminino no ambiente de trabalho.

“Desde então, passamos a promover a equidade de gênero no nosso cotidiano, seja em campanhas de conscientização, coaching para mulheres, treinamentos de vieses inconscientes, metas claras para recrutamento e seleção e para promoções. No atual momento, após apenas dois anos da iniciativa, 50% da nossa liderança é formada por mulheres. Essa realidade só foi possível porque nos comprometemos em não apenas levantar a bandeira da igualdade, mas também em criar soluções que efetivassem a ideia”, explica a diretora-executiva de Recursos Humanos e Comunicação Corporativa da AstraZeneca Brasil, Vanessa Cordaro.

Para a AstraZeneca, o debate sobre diversidade vai muito além da equidade de gênero. Busca-se caminhar para alcançar índices de diversidade que realmente estejam próximos da configuração social. Atualmente, 50% da alta liderança do grupo são compostas por elas, mas o objetivo é ampliar esse percentual em todas as suas áreas.

“Há 15 anos a AstraZeneca é considerada uma das melhores empresas para se trabalhar devido a sua cultura, ambiente de trabalho e preocupação com o colaborador. Aqui fomentamos uma cultura que defende a inclusão e a diversidade para que todos encontrem na AstraZeneca Brasil um local em que possam ser a sua melhor versão todos os dias e desenvolver todo o seu potencial em prol do paciente. E tudo isso tem como base o nosso propósito de expandir as fronteiras da ciência para oferecer medicamentos que mudam vidas”, ressalta Vanessa.

Valores

Para isso, a empresa se fortalece em cinco valores principais, segundo Vanessa:

  • Busca-se o desenvolvimento científico – estimula-se que os colaboradores se mantenham curiosos e em busca de aprimoramento para que tomem decisões baseadas em conhecimentos científicos;
  • Coloca-se o paciente em primeiro lugar – busca-se entender as necessidades reais dos pacientes, para se criar soluções e abordagens adaptadas, além de compreender o ambiente de saúde e as tendências externas para colaborar com diferentes atores do ecossistema de saúde em prol do paciente;
  • Jogar para ganhar – a AstraZeneca procura os melhores talentos e desenvolve equipes vencedoras, aproveitando forças e diversidade, dentro e fora da empresa;
  • Fazer o certo – agir sempre com integridade – Além de respeito e sinceridade, busca-se o empreendedorismo; e
  • Resiliência – eles são incansáveis na busca da excelência, desafiando os limites em coisas pequenas e grandes.

Segundo Vanessa, os valores da corporação pautam sua principal meta de impactar a vida de cinco milhões de brasileiros até 2025, porém acredita-se que, para alcançar isso, é preciso cuidar do que se tem de mais importante, seus colaboradores. Afinal, eles reconhecem estar na posição que alcançaram por conta da parceria, empenho e comprometimento de seus times.

Diversidade e inclusão

Segundo Vanessa, na AstraZeneca entende-se que é importante ter um ambiente diverso, representativo, com diferentes formas de pensar entre os colaboradores e conceder espaço para que todos possam se expressar para manter a competitividade de mercado. Por isso, é importante que seja fomentada uma cultura inclusiva na qual todos se sintam à vontade para expressar suas opiniões, o que a empresa denomina de cultura de ‘Speak Up’.

De modo geral, observa-se que as líderes mulheres da companhia são abertas para discutir diferentes questões, para mostrar suas vulnerabilidades e criar um ambiente inclusivo, se apoiam mutuamente e trabalham pesado para entregar os resultados, mostrando todo seu potencial.

“Entendemos que também é preciso olhar para a diversidade e inclusão para além da equidade de gênero. E essa já se provou ser uma urgência para as empresas se manterem competitivas e eficientes em suas áreas de atuação. Por isso, em 2018, foi criado um Comitê de Diversidade, hoje composto por 20 pessoas de diversos departamentos da empresa. Esse time é responsável por organizar eventos, palestras e workshops ligados à temática de diversidade e inclusão para que todos os nossos colaboradores possam refletir e aprender juntos. Um dos mais recentes foi o de viés inconsciente, que abordou como o subconsciente é capaz de reproduzir preconceitos, assim impedindo a formação de equipes mais diversas e plurais em gênero, etnias e orientação sexuais”, detalha Vanessa.

Nesse sentido, a AstraZeneca já possui portfólio de ações internas e externas que abordam diversidade, inclusão e equidade de gênero em suas mais diversas formas. Essas iniciativas são importantes e a levou ao reconhecimento de ser a única farmacêutica a ser incluída no Gender-Equality Bloomberg Index de 2019 nas áreas de diversidade e inclusão de liderança e trabalho flexível.

A partir disso, foram criados grupos de afinidades ou de interesses em diferentes temáticas, como LGBTQIA+, PCD, Raça, Masculinidade tóxica, entre outros. O objetivo é que além de aumentarem o conhecimento de todo o grupo com discussões relevantes, os integrantes possam ajudar a organização a evoluir, levando em consideração os preconceitos e as experiências vividas por cada um deles, para que se tenha uma cultura inclusiva em que todos os colaboradores encontrem na empresa um ambiente em que possam ser a sua melhor versão.

Mensuração

Questionada sobre os impactos positivos de se ter mulheres no comando, a diretora disse ser difícil medir com número claros, pois muitas vezes se trata de um retorno intangível. Mas o que se pode afirmar é que muitas pesquisas mostram o poder de inovação de empresas que são diversas. Pessoas diferentes têm experiências de vida diferentes, e a soma dessas experiências contribui para uma melhor experiência para seus públicos, sejam os pacientes, colaboradores ou outros atores do ambiente de saúde.

“Além disso, é importante sinalizar que trabalhamos com algumas áreas terapêuticas e tratamentos que são exclusivos para mulheres, como é o caso de tratamento para câncer de ovário. Nesse sentido, uma líder mulher consegue entender e retratar melhor as necessidades de outra mulher por ter lugar de fala”, ressalta Vanessa.

Buscando talentos internamente

O processo de seleção e promoção da AstraZeneca sofreu mudanças recentes, seguindo o seu ideal de promover a equidade de gênero internamente. Desde 2018, por padrão, todos os processos seletivos realizados devem ter, ao menos, uma mulher na lista de finalistas de recrutamento para todas as posições. A equipe de Recursos Humanos, responsável por recrutar e promover, passou por treinamento que visou à mudança de olhar, tanto para as promoções internas como para novas contratações, alinhados em movimento para trazer mais mulheres para a companhia.

“Também estamos tentando melhorar o recrutamento de PCDs e de jovens carentes, inclusive buscando oferecer qualificação necessária com empresas e escolas parceiras para ajudarmos na capacitação dos colaboradores”, revela a diretora.

Treinamentos de equipes são realizados por meio de campanhas internas, buscando aumentar a conscientização sobre temas de relevância. São realizados treinamentos com as lideranças da companhia sobre vieses inconscientes e oferecimento de coaching para as mulheres em posição executiva. Além disso, todos são convidados a participar de palestras e workshops, ou do próprio Comitê de Diversidade, existente desde 2018. A temática da inclusão combate os preconceitos, e o senso comum está sempre presente nos eventos para que todos os colaboradores da AstraZeneca possam refletir e aprender juntos.

Deixe seu comentário

Assine nossa newsletter
Enviaremos a você as melhores notícias de negócios e análises informadas sobre o que é mais importante para você.
Falar Agora
Precisa de Ajuda ?
Olá, como podemos te ajudar ?