All for Joomla All for Webmasters
DROGARIA SÃO PAULO É A 1a. NO RANKING DATAFOLHA

Pelo quarto ano consecutivo, a rede Drogaria São Paulo conquistou o primeiro lugar no ranking Datafolha – uma pesquisa realizada entre os paulistanos sobre os melhores serviços que a cidade oferece.  Em sua categoria, a DSP atingiu a marca de 35% dos votos dos entrevistados. Ano passado havia ficado com 32%.

Com a ideia de atrair o típico cliente paulistano, que busca cada vez mais produtos de higiene, cosméticos e perfumaria, a empresa fez constantes investimentos em melhorias, movimentos que podem ser percebidos desde as novas fachadas e logotipo, até lançamento da marca própria de produtos Ever Care e parceria com o médico Drauzio Varella, fonte especialista para a empresa disseminar conteúdo informativo de saúde via programa de relacionamento Viva Saúde.

“Queremos nos posicionar como uma empresa que não vende só remédio, mas saúde e bem-estar, diz o presidente do Grupo DPSP, Marcelo Doll. O grupo administra as redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo.

Viva Saúde & Drauzio Varella

As redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo fecharam uma parceria com o médico Drauzio Varella para levar conteúdo de saúde para seus clientes do programa de relacionamento da empresa, Viva Saúde, atualmente com milhões de pessoas cadastradas. A parceria tem como objetivo disseminar de forma clara e democrática conteúdo exclusivo e segmentado sobre saúde, usando redes sociais, vídeos e encontros presenciais com o especialista em diversas regiões do Brasil. A parceria correrá ao longo de 2018.

A parceria DPSP com o médico Drauzio Varella prevê a publicação de conteúdos informativos sobre saúde para os clientes e seguidores das marcas nas redes sociais, além da transmissão ao vivo de programas com a participação de especialistas e do público.

“A farmácia nos oferece uma oportunidade única de acesso a um público que está diretamente interessado em saúde. Acreditamos que esse ambiente favoreça a disseminação de informações corretas e com base científica”, afirma Drauzio Varella.

O programa de relacionamento Viva Saúde possui um grande volume de cadastrados, o que viabiliza uma comunicação mais dirigida para milhões de pessoas. Por meio dessa ferramenta, a empresa acompanha as necessidades de seus clientes. “Acreditamos que podemos auxiliar nossos consumidores, contribuindo com informação para tratamentos e cuidados com a saúde. Para isso, usaremos a expertise da nossa ferramenta para selecionar e direcionar o conteúdo de forma personalizada para cada cadastrado”, fala Doll.

“A farmácia, muitas vezes, é primeiro lugar onde a pessoa busca uma informação ou um atendimento no caso de uma enfermidade de menor gravidade. Entendemos o nosso papel e queremos evidenciar a nossa preocupação com o tema. E por meio desta atitude, garantir que as pessoas tenham cada vez mais um atendimento direcionado e esclarecedor e que possam cuidar da sua saúde”, finaliza Doll.

Ever Care

A linha Ever Care apresenta mais de 50 itens de cuidados e assepsia, atendendo consumidores com perfis e momentos de vida diferentes. Entre os primeiros produtos da nova marca estão: hastes flexíveis, algodão, gel antisséptico, absorvente para seios, gaze estéril, curativos, atadura, fita microporosa, água boricada, água oxigenada, oficinais, luvas látex, soro fisiológico, esparadrapo, ataduras, entre outros.

 

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DAS FARMÁCIAS AMERICANAS E SEU IMPACTO NAS BRASILEIRAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DAS FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS INDEPENDENTES AMERICANAS E SEU POSSÍVEL IMPACTO NAS BRASILEIRAS

 

 

 *POR MARCELO POLACOW E EGLE LEONARDI

 

 

“Se você não pode medir, você não pode gerenciar”. Esta é uma das citações mais famosas de Peter Drucker, considerado o pai da administração moderna, que chama à reflexão sobre a importância das métricas na gestão do negócio.

Com esse foco, em novembro de 2017 a National Community Pharmacists Association (NCPA) (uma associação americana de farmacêuticos comunitários) e a Cardinal Health (empresa com sede em Dublin, Ohio, EUA) publicaram o Digest NCPA de 2017. É uma espécie de sumário contendo um retrato da farmácia comunitária nos Estados Unidos. No entanto, o documento é tão atual e preciso, que também pode ser interpretado sob a ótica das farmácias comunitárias brasileira, guardadas as devidas proposições.

Digest NCPA ajuda os proprietários de farmácias comunitárias a gerenciar melhor seus negócios, fornecendo dados, números e perfis. Essas informações essenciais descrevem o impacto que as farmácias comunitárias têm nos pacientes e nas comunidades onde estão inseridas. E é justamente nesse público que a farmácias independentes têm seu maior impacto, não só econômico, mas também por meio de sua contribuição social, que ajudam a tornar esses lugares opções melhores para se viver.

De acordo com o artigo desenvolvido pelo CEO da National Community Pharmacists Association, B. Douglas Hoey, por mais de oito décadas, o Digest tem fornecido o mais abrangente relatório sobre a farmácia comunitária independente. Isso permite que seus proprietários tomem decisões empresariais prudentes e municiem seus funcionários com a informação que eles precisam para elaborar políticas sólidas.

O cenário dos cuidados de saúde ao redor do mundo mudou drasticamente desde o primeiro Digest. Por conta disso, a devoção e os cuidados dos farmacêuticos independentes mostram aos seus pacientes e a sua comunidade que eles permaneceram firmes em seus propósitos.

Segundo Hoey, a publicação do Digest exigiu intenso trabalho ao longo de vários meses. Além disso, consumiu despesas significativas. A concretização do projeto não seria possível sem o patrocínio da Cardinal Health, em benefício da NCPA e de todos os farmacêuticos ao redor do mundo.

Digest é essencialmente uma compilação de dados fornecidos por proprietários independentes de farmácias comunitárias dos Estados Unidos, que respondem à pesquisa anual da NCPA. Os membros dessa entidade obtiveram acesso antecipado ao Digest na Convenção Anual da NCPA, ocorrida em outubro de 2017.

Saiba mais sobre o tema no link: http://www.ncpanet.org/home/ncpa-digest

 

ALGUNS DADOS DO SUMÁRIO

Digest NCPA de 2017 é uma visão abrangente da farmácia comunitária independente de 2016, com foco em três áreas principais: escopo do mercado, serviços de saúde oferecidos e envolvimento de proprietários e funcionários da farmácia local.

 

  1. O MERCADO INDEPENDENTE DA FARMÁCIA COMUNITÁRIA

As farmácias comunitárias independentes nos Estados Unidos continuam sendo um dos principais segmentos, com um mercado de US$ 80 bilhões. Esses players representam 36% do varejo americano. No total, há 22.041 farmácias, incluindo aquelas de lojas únicas e múltiplas, redes regionais de administração familiar e franqueados de propriedade individual.

Vinte e nove por cento dos proprietários de farmácias comunitárias independentes são donos de duas ou mais unidades. Porém, a média de propriedades por cada empreendedor do segmento é de 1,96.

Mais de 250 mil pessoas são empregadas por essas farmácias em tempo integral ou por período parcial, reforçando as economias estaduais e locais e as receitas fiscais. Os medicamentos prescritos são seu ponto focal, representando 92% da receita total de vendas.

Vale ressaltar o importante volume de farmácias comunitárias independentes que cuidam de populações com carência de atendimento em saúde: 81% desses estabelecimentos estão situados em áreas populacionais de até 50 mil habitantes.

Outros destaques:

  • O volume de receita diminuiu de 60.493 prescrições em 2016 para 59.746 em 2017, provavelmente devido, em parte, aos requisitos de renovação das receitas por mais 90 dias (comum nos Estados Unidos) em casos de pacientes crônicos e/ou atendidos por PBMs.
  • Os medicamentos genéricos compreendem 84% de todas as prescrições dispensadas.
  • 52% das receitas totais são cobertas pelos programas Medicare Part D e Medicaid.
  • 90% das farmácias comunitárias estão oferecendo algum tipo de programa de adesão ao tratamento com medicamentos.
  • Os reembolsos abaixo do custo, exacerbados pelas taxas da DIR na Part D do Medicare contribuíram para a queda de 5% nas margens brutas nos últimos cinco anos.

 

  1. SERVIÇOS PRESTADOS PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES LOCAIS DE SAÚDE

Farmácias comunitárias independentes são provedores acessíveis de medicamentos prescritos, aconselhamento de medicação e outros serviços importantes de cuidados de saúde. O NCPA Digest de 2017 relacionou os tipos de serviços que esses estabelecimentos normalmente oferecem.

Serviços de cuidados prolongados

Os farmacêuticos comunitários independentes desempenham um papel importante no cuidado com os 46,2 milhões de idosos dos Estados Unidos. Nesse segmento, eles fornecem cuidados farmacêuticos em lares de idosos, instalações de assistência de saúde, hospitais psiquiátricos e em cuidados domiciliares.

Entre os serviços especializados para idosos estão a avaliação e suporte nutricional, terapia intravenosa, equipamentos médicos duráveis, suprimentos de ostomia e gerenciamento de dor. De acordo com Hoey, pensando de forma inovadora, vale lembrar que os farmacêuticos comunitários independentes fornecem os serviços necessários à população e, com isso, melhoram seus rendimentos.

Em 2016, 44% dos farmacêuticos comunitários independentes forneceram serviços de cuidados de longa duração (que nos Estados Unidos são chamados de LTC – Long Term Condition) para pacientes que são identificados pelas seguradoras (planos de saúde) com dificuldade para realizarem seus tratamentos por diversos motivos, inclusive adesão ao tratamento.

 Serviços de adesão

Os gastos associados às doenças crônicas são um dos principais impulsionadores do aumento dos custos dos cuidados de saúde nos Estados Unidos. Para a maioria dessas doenças crônicas, os medicamentos são o tratamento mais econômico, mas muitos pacientes não tomam sua medicação de forma correta.

Para ajudar a combater o problema da não adesão aos medicamentos da ordem de US$ 290 bilhões nos EUA, e ainda melhorar a saúde do paciente, 90% das farmácias comunitárias independentes daquele país implantaram programas abrangentes de adesão, com quase 77% delas oferecendo serviços de sincronização de medicamentos aos seus pacientes.

O modelo de sincronização de medicamentos (nos Estados Unidos chamado de med sync) é o processo de alinhamento de todos os medicamentos que o paciente deve utilizar no dia. Isso é estabelecido em uma consulta com o farmacêutico.

Medicação Especializada

A farmácia independente está desempenhando um papel importante no varejo farmacêutico especializado e está em franco crescimento. Para se ter uma ideia, vale citar que 39% das farmácias comunitárias independentes dispensam medicamentos especiais. Os principais medicamentos dispensados ​​por incluem os destinados a tratar artrite reumatoide (85%), HIV (55%) e hepatite C (45%). Essas farmácias fornecem cuidados de alto valor aos pacientes que precisam desses medicamentos em suas comunidades.

Outros serviços oferecidos pelas farmácias comunitária independentes incluem:

  • 44% fornecem serviços de acolhimento de pacientes em parceria com hospitais e clínicas;
  • 87% oferecem gerenciamento de terapia de medicamentos;
  • 76% fazem imunização;
  • 72% realizam entregas;
  • 62% proporcionam serviços de mensuração de pressão arterial.

* Os dados acima são específicos de lojas que oferecem linha completa, mas não estão, necessariamente, presentes em todas as farmácias pesquisadas.

 

  1. ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE

As farmácias independentes são, muitas vezes, consideradas pilares de suas comunidades locais, e o NCPA Digest de 2017 fez o registro dessa percepção. Quase 70% de todos os donos de farmácias comunitárias fizeram doações para, pelo menos, cinco organizações locais, com 43% doando para dez ou mais organizações locais.

Essas pequenas empresas afetam a economia regional por meio da criação de empregos e da geração de receitas fiscais. Assim, desempenham um papel importante em sua comunidade por meio de suas contribuições sociais, visando à prosperidade das suas comunidades.

Outros destaques do envolvimento social e beneficente das farmácias independentes:

  • 51% dos proprietários ou funcionários têm relações pessoais diretas com um representante do estado ou um membro chave dessa equipe;
  • 64% dos proprietários ou funcionários têm relações pessoais diretas com um prefeito ou membro chave de sua equipe;
  • 4% de todos os proprietários ou funcionários ocupam um cargo eleito;
  • 23% dos proprietários e 9% dos funcionários são membros de uma associação comercial local;
  • 59% dos proprietários e 12% dos funcionários são membros da Câmara de Comércio.

 

VISÃO DOS AUTORES SOBRE O PARALELO COM O BRASIL

            No Brasil, assim como nos Estados Unidos, as farmácias independentes sofrem com a concorrência das grandes redes. Para se diferenciarem no mercado optaram por focar nos serviços clínicos (em especial o gerenciamento da farmacoterapia) e na dispensação de medicamentos genéricos com benefícios para os pacientes. A interlocução com entidades, sejam elas governamentais ou não, é fundamental para a definição de políticas que atendam ao segmento em consonância com as necessidades da população.

Os serviços de imunização em farmácias no Brasil, agora regulamentados pelo CFF, MS e ANVISA possibilitam aumentar o rol de serviços, como acontece nos EUA.

No Brasil, diferentemente do que ocorre nos Estados Unidos, os planos de saúde não têm a prática e o hábito de manter farmácias conveniadas para prestar serviços clínicos, em especial de adesão ao tratamento, focando-se somente nos descontos (PBMs).

É importante frisar que não é só o custo que afasta os pacientes da adesão aos seus tratamentos. Com essas medidas, as farmácias independentes têm enfrentado a concorrência de melhor forma.

Observa-se também a necessidade no Brasil de estatísticas confiáveis e ferramentas de organização/gestão para melhorar os resultados.

 

CONCLUSÃO

Na maioria das cidades americanas, as farmácias comunitárias independentes tratam pacientes como família, promovem o uso seguro e eficaz de medicamentos e participam ativamente da vida comunitária.

Ao mesmo tempo, tanto o volume de receita decrescente como a redução do reembolso de medicamentos prescritos refletem um mercado em mudança, no qual os proprietários de farmácias comunitárias devem ajustar seu modelo de negócios. Assim, os proprietários devem considerar, mais do que nunca, todas e quaisquer opções para diversificar sua receita, enquanto continuam a se concentrar na avaliação da economia de reembolsos de terceiros.

É extremamente necessário que as farmácias independentes brasileiras se realinhem às tendências internacionais e, em especial, ao varejo americano, pois suas realidades são, de certa forma, muito próximas.

 

AUTORES:

*Marcelo Polacow – Farmacêutico pela USP/Ribeirão Preto, mestre e doutor em Farmacologia pela UNICAMP, coordenador e professor de Pós-Graduação, autor de livros e consultor empresarial.

*Egle Leonardi – Jornalista especializada no segmento farmacêutico, MBA em Gestão de Comunicação Corporativa, especializada em Marketing Digital. Recebeu o Prêmio Abrafarma de Melhor Jornalista na Categoria Imprensa Especializada no Segmento de Saúde. Diretora da Vitae Editora.

ATIVA ESPERA CRESCER 20% E FECHAR O ANO COM FATURAMENTO DE R$ 280 MILHÕES

A Ativa Logística, um dos maiores operadores logísticos nas áreas de medicamentos e cosméticos do Brasil, estará na 14ª Abradilan Conexão Farma, entre os dias 20 e 22 de março no São Paulo Expo, na capital paulista, para fomentar o seu conceito de integrador logístico para os parceiros do setor. A companhia, que completa 22 anos em 2018, oferece o transporte pelo modal rodoviário desde sua fundação e há dois anos o modal aéreo, quando adquiriu o controle total da Trans Model Air Express.

Segundo o presidente da Ativa, Clóvis Gil, a compra da Trans Model ocorreu para atender o mercado farmacêutico que cresce e necessita cada vez mais de agilidade. Atualmente, cerca de 70% dos produtos transportados pela Trans Model é de perecíveis. Desse total, praticamente 90% são medicamentos. “O transporte aéreo é um modal que tem por característica a agilidade, segurança e praticidade. É a melhor opção para produtos que exijam um transporte rápido e muitas vezes em regiões fora dos grandes centros, como os medicamentos”, afirma o executivo da companhia, que realiza entregas de vacinas, produtos farmacêuticos, beleza e higiene pessoal e medicamentos controlados.

Alguns contratos em negociação poderão impulsionar ainda mais a logística dos medicamentos no Centro-Oeste, região onde a Ativa pretende abrir filiais em Anápolis (GO) e Brasília (DF), que deverão demandar investimentos da ordem de R$ 30 milhões até 2019. Nesse valor estão incluídos também a compra de caminhões com baús reforçados contra roubo de cargas e a contratação de mais colaboradores. “Temos as soluções completas em nossas operações e, se necessário for, podemos desenvolver um projeto sob medida, com eficiência estratégica que o negócio do cliente exige”, diz Gil. “Hoje atendemos 2.510 cidades pelo modal rodoviário por meio das filiais e passamos a atuar em todo o País via operador logístico e modal aéreo”, completa Gil.

A Ativa espera crescer 20% até o final de 2018, para fechar o ano com R$ 280 milhões em faturamento. Os principais setores que devem contribuir com o crescimento da companhia, que tem 17 unidades em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e Paraná, ainda são o farmacêutico e o de cosméticos.

Diferenciais no mercado

A grande aposta da companhia está em seus principais diferenciais de mercado, como as áreas de adequação (ink jet, rotulagem, montagem de kits, inclusão de manuais e bulas, etc) e separação de pedidos (cargas fracionadas, leitura de código de barras, cubagem eletrônica das embalagens, etc), além do GIL (Gestão Integrada de Logística), sistema que permite aos seus parceiros de negócios a geração de informações como posição no palete, status de recebimento e saída, inventários e relatórios precisos de toda a sua operação em tempo real, tudo conciliado com o sistema do próprio cliente.

 

Com 21 anos de história, a Ativa Logística é um dos maiores operadores logísticos de medicamentos e cosméticos no Brasil, atende integralmente a todas as normas e resoluções da Anvisa para a armazenagem e o transporte de remédios, inclusive as constantes na portaria nº 344/98. Para os próximos anos, com as necessidades e exigências do setor farmacêutico, a meta da empresa é se tornar líder neste segmento, em relação à prestação de serviços nos modais de logística, transporte rodoviário e aéreo.

A companhia realiza, em média, 150 mil entregas mensais. Conquistou o primeiro lugar na categoria Transporte de Medicamentos e obteve menção honrosa em Armazenagem e Distribuição de Medicamentos no Prêmio Sindusfarma de Qualidade 2017. Também foi vencedora do Hyper Ouro no Programa Fox, da Hypera Pharma, foi considerada uma das melhores fornecedoras de serviços das indústrias de higiene, perfumaria e cosméticos ao ganhar o selo e o troféu referente ao Programa de Qualificação de Fornecedores da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC).

FEIRA DA ABRADILAN EM 2018 DEVE MOVIMENTAR R$ 220 MILHÕES EM NEGÓCIOS

  • Expectativa da entidade é receber cerca de 8 mil pessoas, entre profissionais da área da saúde, varejo e indústria farmacêutica
  • Feira ocorre após vendas dos associados da entidade atingirem a marca de R$ 5,3 bilhões em 2017, um aumento de 9% em relação a 2016

Considerado o maior evento do setor farmacêutico, a 14ª Abradilan Conexão Farma ocorre entre os dias 20 e 22 de março, em São Paulo. Organizada pela Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos (Abradilan), entidade que reúne 145 empresas distribuidoras de medicamentos e produtos de higiene pessoal e cosméticos, a feira espera movimentar cerca de R$ 220 milhões em novos negócios, um aumento de 10% em comparação com 2017, quando gerou R$ 200 milhões.

Segundo o presidente da Abradilan, Juliano Vinhal, essa expectativa positiva, mesmo ainda com os reflexos da crise, ocorre devido ao bom desempenho da indústria farmacêutica no país. Desempenho que também reflete em números positivos aos associados da entidade. “Em 2017, as vendas dos associados da Abradilan chegaram a 1 bilhão de unidades comercializadas em todo o país, um aumento de 5,2% na comparação com o mesmo período de 2016, que teve a marca de 960 milhões de unidades. Já em valores, nossas vendas atingiram R$ 5,3 bilhões, um aumento de 9% em relação a 2016, quando chegamos a R$ 4,8 bilhões”, ressalta o presidente.

A expectativa da diretoria da Abradilan é receber nos três dias do evento cerca de 8 mil pessoas, entre profissionais da área da saúde, varejo, distribuidores de medicamentos, executivos da indústria farmacêutica, higiene, beleza, nutrição e serviços. No local eles poderão contar com mais de 20 horas de conteúdo técnico, com temas e palestrantes de interesse do setor, sem contar, com as infinitas possibilidades de networking.

MAIS EXPOSITORES

Segundo Vinhal, a Abradilan Conexão Farma é um evento que oferece oportunidade de realizar negócios, ampliar a rede de relacionamentos com profissionais e empresas de todo o país, além de ser referência sobre a dinâmica da produtiva da saúde. “Nossas expectativas são de estender a lista de expositores para todos os fornecedores de produtos comercializados nas farmácias e a cada ano melhorar a oferta de conteúdos relevantes sobre o mercado dos nossos participantes”, informa. Em 2018, cerca de cem expositores participam da feira.

A Abradilan Conexão Farma contará com várias palestras de diferentes áreas, como Max Gehringer (Carreira, emprego e empreendedorismo) e Carlos Wizard Martins (Desperte o milionário que há em você), que trarão temas relacionados a empreendedorismo, carreira, tecnologia, consumo e economia. Além disso, parcerias com a Fundação Dom Cabral e Editora Contento vão proporcionar ao público miniaulas com temas relacionados à administração de pequenas e médias empresas do varejo e distribuição. Através de um aplicativo, especialmente desenvolvido para o evento, o visitante terá acesso à agenda, mapa de estandes, informações sobre palestrantes, fotos, vídeos e novidades.

Serviço
Evento:
14ª Edição Abradilan Conexão Farma
Data: 20 a 22 de março 2018
Horário: 14h às 21h
Local: São Paulo Expo Endereço: Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – Vila Água Funda

VENDA DE MEDICAMENTOS EM SUPERMERCADOS?

Com a justificativa de facilitar o acesso da população a medicamentos que dispensam receita médica, o deputado Ronaldo Martins (PRB-CE) apresentou o Projeto de Lei 9482/2018, que permite a venda desses itens em supermercados. Martins explica que em muitas localidades do interior do País a presença de farmácias é restrita, o que impede o acesso a tais produtos. 

 

No entanto, nesses estabelecimentos não há a possibilidade do atendimento farmacêutico. Isso se configura automedicação, aumentando grandemente os riscos da população de intoxicação medicamentosa – o que é um sério problema de saúde pública no Brasil.

Na visão do deputado, os supermercados e similares têm uma maior presença em todos os municípios brasileiros. “Por menor que sejam suas populações, todo lugar tem um ‘mercado’, diferentemente das farmácias, que se localizam em locais comercialmente mais viáveis, como os grandes centros urbanos”, argumentou.

O parlamentar lembra, ainda, que esses medicamentos, por serem populares, têm efeitos já conhecidos pelos consumidores. “Geralmente, esses são produtos destinados ao tratamento de sintomas mais simples e condições de baixa gravidade, como dores de cabeça, acidez estomacal, febre, tosse, dor e inflamação da garganta, entre outros”, disse ele.

COMO FAZER O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NA FARMÁCIA

O responsável técnico da farmácia deve  dar o destino correto aos resíduos gerados em seu estabelecimento. Ao não tomar as medidas certas, o proprietário pode ser devidamente responsabilizado. Por isso, é importante ficar atento às medidas de gerenciamentos de resíduos nas farmácias. Veja algumas dicas para não ter dor de cabeça com esse assunto.

O que é PGRSS?

O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS) é um documento que apresenta como devem ser tratados os resíduos farmacêuticos e hospitalares de um estabelecimento de saúde. É preciso que as determinações desse documento estejam em conformidade com a legislação sanitária.

Como cada região pode ter suas próprias determinações, é necessário que o responsável pela farmácia busque orientação junto a Vigilância Sanitária de sua região. Esse órgão é o responsável pela fiscalização do descarte de resíduos e saberá orientar corretamente sobre os procedimentos.

Além disso, existem empresas e consultorias especializadas para dar esse suporte. Essas empresas fazem a coleta e direcionamento dos materiais da farmácia, conforme orienta a legislação.

Como descartar os resíduos farmacêuticos corretamente?

Há algumas determinações gerais a respeito dos resíduos de farmácias que merecem a nossa atenção. Trata-se de orientações sobre o descarte de resíduos hospitalares ou farmacêuticos, que ajudam a entender como descartar corretamente esses materiais. Veja os tipos de materiais e as formas corretas de descarte:

1 – Sacolas específicas

Todo o lixo farmacêutico produzido proveniente da manipulação de medicamentos deve ser descartado no saco branco leitoso. Esse saco pode ter a capacidade de até 30 litros e precisa ter a identificação de “lixo hospitalar”, indicada pela presença da cruz vermelha e a escrita no pacote.

Quando for descartado seringas e outros materiais cortantes, as sacolas devem ser resistentes ao furo. Além disso, a embalagem de descarte deve apresentar a inscrição de “lixo biológico” e “perfurocortante”.

Para resíduos como gases, ataduras, algodão e outros a sacola deve ser de lixo biológico, impermeável e de cor bege.

Todas as lixeiras da farmácia para destinação desses prodgerenciamentos de resíduos, pgrss farmácia, pgrss drogaria, resíduos farmacêuticosutos devem possuir tampa, ser impermeável e resistente para evitar o contágio com os itens em seu interior.

2 – Coleta e descarte

A coleta do resíduo deve ser feita por empresa especializada, com veículo próprio e que siga as regras da vigilância sanitária.

A remoção desses materiais deve ser feita pelo menos uma vez por dia, a depender do volume de lixo produzido pela unidade.

O material coletado pode ser incinerado ou destinado a aterros sanitários específicos, ficando sob a responsabilidade da empresa coletora tomar essas medidas. Mesmo no caso de incineração, as cinzas e demais detritos provenientes da queima também devem ser destinados aos aterros.

Fonte: Espaço Farmacêutico

PESQUISA REVELA: VENDA DE MEDICAMENTOS CRESCE 10,8%

Em novembro de 2017  houve crescimento de 10,8% nas vendas de medicamentos e não medicamentos (HPC) na comparação com o mesmo período de 2016, segundo a Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos (Abradilan), entidade que reúne 146 empresas distribuidoras de medicamentos e produtos de higiene pessoal e cosméticos. As vendas totalizaram R$ 440,3 milhões, contra R$ 397,5 milhões do ano passado. Em unidades, o aumento foi de 6%, totalizando 82,2 milhões. Os dados foram apurados em pesquisa pela IQVIA, empresa que é fruto da fusão entre IMS Health e Quintiles, a pedido da Abradilan.

De janeiro a novembro de 2017, no canal de distribuição, os associados da Abradilan totalizaram R$ 4,8 bilhões em vendas, 9,2% mais do que os R$ 4,4 bilhões registrados anteriormente em 2016. Foram comercializadas pela Abradilan 926,4 milhões de unidades de medicamentos e não medicamentos no período, um aumento de 5,5% em relação a 2016, quando foram distribuídas 878 milhões de unidades pelo mercado.  Segundo o presidente da Abradilan, Juliano Vinhal, esses resultados mostram o crescimento do setor e a importância dos distribuidores da Abradilan, presentes em 95% dos municípios brasileiros, em 23 Estados.

No acumulado dos últimos 12 meses, as vendas chegaram a 1 bilhão de unidades comercializadas em todo o País, totalizando um aumento de 5,4% na comparação com o mesmo período de 2016, que teve a marca de 955 milhões de unidades. Já em valores, as vendas atingiram a marca de R$ 5,2 bilhões, um aumento de 9,4% em relação a 2016, quando chegou a R$ 4,7 bilhões.

 

 

10 INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS MAIS FREQUENTES

 

POR EGLE LEONARDI

As interações medicamentosas podem ser consideradas erros evitáveis? Sim e não! Sim, porque o farmacêutico (e o médico) deveria ter conhecimento das reações causadas pela combinação de medicamentos, alimentos, fitoterápicos etc. Não, porque na era da polifarmácia é comum que pacientes com doenças crônicas e que estejam usando até uma dezena de medicamentos diferentes não relatem o fato ao profissional de saúde, já que recebem receitas de prescritores de diferentes especialidades.

Vale lembrar que esse problema pode ser causado por alterações nos efeitos de um medicamento por conta do consumo concomitante de outro medicamento ou sua utilização juntamente com determinado alimento ou bebida. Embora em alguns casos os efeitos de medicamentos combinados sejam benéficos, é comum que as interações medicamentosas tendam a ser prejudiciais.

Quase todas as interações do tipo medicamento-medicamento envolvem itens de prescrição obrigatória, mas algumas incluem medicamentos isentos de prescrição (MIPs), como o ácido acetilsalicílico, antiácidos e descongestionantes.

Reações secundárias

Segundo o farmacêutico e professor, Fabricio Favero, a atuação de um fármaco pode ocorrer em diferentes tecidos, visto que esses ativos podem atingir diversos alvos moleculares. Por esse motivo, há reações secundárias ao efeito principal de interesse no tratamento com um princípio ativo.

“As interações podem ocorrer na fase farmacocinética (na movimentação do ativo, da absorção até excreção) e na farmacodinâmica (relacionado ao local de ação de um fármaco). As interações farmacocinéticas são as mais frequentes e influenciam de forma significativa a terapêutica medicamentosa”, explica ele.

Favero lembra que o farmacêutico deve verificar inicialmente o número de fármacos que o paciente faz uso e ele deve pesquisar os outros medicamentos, incluindo os fitoterápicos, além de suplementos alimentares: “Há medicamentos com fármacos associados (mais de um princípio ativo) e assim as possíveis interações devem ser verificadas”.

Desafios dos farmacêuticos

Favero é incisivo em afirmar que há desafios que devem ser encarados pelos farmacêuticos para minimizar os problemas com medicamentos. Ele destaca os três principais:

1 – Dedicação na pesquisa – Há a necessidade de o farmacêutico se dedicar durante o atendimento para a avaliação da interação. Há softwares e aplicativos para aparelho celular que realizam isso de forma a otimizar o trabalho. A atualização desses recursos deve ocorrer com frequência, pois se trata de um banco de dados que é enriquecido conforme as reações são registradas e documentadas.

2 – Interpretação cuidadosa – Nem todas as interações estão documentadas e são conhecidas. Isso quer dizer que há a possibilidade de ocorrer uma interação e ela ser interpretada erroneamente, como se fosse uma reação adversa dos fármacos envolvidos, e na realidade o que ocorreu foi uma manifestação da interação medicamentosa.

3 – Orientação assertiva – Além de verificar as possíveis interações, deve-se afastar as administrações de diferentes fármacos durante do dia. Orientar o paciente que ele deve utilizar os medicamentos com certo intervalo de tempo, a fim de evitar possíveis interações desconhecidas, lembrando que muitos pacientes, principalmente idosos, utilizam vários medicamentos ao mesmo tempo, o que ocasiona grandes chances de interações.

Segundo o farmacêutico, Diego Medeiros Guedes, como as interações entre medicamentos podem ser de caráter físico, químico, farmacocinético ou farmacológico, cabe ao farmacêutico conhecer as possíveis causas de interação e intervir quando necessário: no local de absorção (alterações na flora intestinal, motilidade intestinal e interação química direta), fora do organismo (mistura de medicamentos), durante a distribuição (ligação às proteínas plasmáticas e ligação a tecidos – o adiposo principalmente), nos receptores (ação nos receptores e em órgãos e sistemas), durante o metabolismo (indução enzimática e inibição enzimática), na excreção (difusão passiva – reabsorção e transporte ativo).

Exemplos de 10 interações medicamentosas

Para Favero, não há uma escala para classificar quais são as interações mais perigosas, pois elas estão dentro de um contexto de uso.  “A interação pode ser perigosa, mas pode não ser frequente. Mais importante é ressaltar as de maior frequência”, lembra ele, que cita alguns exemplos de interações.

1. Ácido acetilsalicílico (AAS) e captopril  O ácido acetilsalicílico pode diminuir a ação anti-hipertensiva do captopril.

2. Omeprazol, varfarina e clopidogrel – O omeprazol (inibidor da bomba de prótons) pode aumentar a ação da varfarina  e diminuir a ação do clopidogrel (antitrombóticos).

3. Ácido acetilsalicílico e insulina – O AAS pode aumentar a ação hipoglicemiante da insulina.

4. Amoxicilina e ácido clavulânico – A amoxicilina associada ao ácido clavulânico aumenta o tempo de sangramento e de protrombina (elemento proteico da coagulação sanguínea) quando usada com AAS.

5. Inibidores da monoamina oxidase (MAO) e tiramina (monoamina derivada da tirosina) – O inibidores da monoamina oxidase (tratamento da depressão) associada à tiramina (tyros = queijo) pode promover crises hipertensivas e hemorragia intracraniana.

6. Omeprazol e fenobarbital – O omeprazol usado com fenobarbital (anticonvulsivante) pode potencializar a ação do barbitúrico.

7. Levodopa e dieta proteica – Levodopa (L-dopa) – usada no tratamento da doença de Parkinson – tem ação terapêutica inibida por dieta hiperproteica.

8. Leite e tetraciclina – Os íons divalentes e trivalentes (Ca2+, Mg2+, Fe2+ e Fe3+) – presentes no leite e em outros alimentos – são capazes de formar quelatos não absorvíveis com as tetraciclinas, ocasionando a excreção fecal dos minerais, bem como a do fármaco.

9. Óleo mineral e vitaminas – Grandes doses de óleo mineral interferem na absorção de vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K), β-caroteno, cálcio e fosfatos, devido à barreira física e à diminuição do tempo de trânsito intestinal.

10. Diurético e minerais – Altas doses de diuréticos (ou seu uso prolongado) promove aumento na excreção de minerais. Exemplo: furosemida, diurético de alça, acarreta perda de potássio, magnésio, zinco e cálcio.

Interações do bem

Há também as interações de efeito que ocorrem quando dois ou mais fármacos em uso concomitante têm ações farmacológicas similares ou opostas, atuando em sítios e por mecanismos diferentes. Podem produzir sinergismos ou antagonismos, sem modificar a farmacocinética ou o mecanismo de ação, como a potencialização do efeito sedativo dos hipnóticos e anti-histamínicos pelo uso do etanol.

“Deve-se considerar que há interações benéficas que são utilizadas como ferramentas da terapêutica, como o sulfametoxazol associado com trimetroprima, que produzem uma reação sinérgica para aumento do espectro antibacteriano”, comenta Favero.

Outro exemplo é a naloxona (antagonista opioide) usada no tratamento de intoxicações de fármacos opioides. Eles são utilizados intencionalmente para bloqueio da toxicidade dos opioides, em caso de superdosagem de opipoides, e depressão respiratória por essa substância.

 

Fonte: ICTQ

SOLIDARIEDADE: FARMÁCIA DOA VENDA DE GARRAFAS ASSINADAS POR POETA

solidariedade-farmacia-dia-venda-de-garrafas-assinadas-por-poeta-vitae-editora

 

 

Aproveitando o espírito de solidariedade que toma conta das pessoas no Natal, a Drogaria Santa Marta promove a campanha Garrafinhas do Amor, que está vendendo garrafas coloridas com frases exclusivas criadas pelo poeta goiano Lucão.

Os produtos são de acrílico, de 500ml, com tampa e alça, confeccionados em cinco cores diferentes – azul, rosa, vermelha, roxa e amarela – e vendidas por R$ 20. Toda a renda arrecadada será revertida para a Associação Espaço Vida, instituição sem fins lucrativos que tem como missão a inclusão social de crianças, jovens e adultos com atraso e ou Transtorno Global do Desenvolvimento.

Não é a primeira vez

No ano passado foi realizada uma campanha semelhante, a Copo do Amor, que vendeu 10.335 unidades e arrecadou R$ 60 mil para a instituição. Desta vez, para atender uma demanda percebida no ano passado, as garrafas serão vendidas não somente nas mais de 60 unidades da drogaria em Goiás e Distrito Federal, mas também na lojinha do site da Associação Espaço Vida, segundo o gerente de marketing da Drogaria Santa Marta, Ulisses Pereira. “Como o Lucão é um grande influenciador social, com mais de 445 mil seguidores no Instagram, decidimos abrir vendas online para atender o público dele, que é do Brasil inteiro”, afirma o executivo.

As garrafinhas poderão ser adquiridas até o dia 30 de janeiro de 2017. No total, foram confeccionadas 30 mil unidades, que podem ser compradas tanto para uso pessoal como para presentear de amigo secreto, de acordo com a presidente da Associação Espaço Vida, Karina Civile Pereira: “É com a Garrafinha do Amor que pretendemos brindar um novo começo para a instituição, com o início da construção da nossa nova sede e ampliando o atendimento para ainda mais pessoas”.

Poesia

As cinco frases criadas por Lucão para a campanha são:

“As pessoas que sonham alto têm sempre o céu aos seus pés”

“Te amo sem atrasos, pois te amar é sempre um presente”

“Paixão é passarinho. Amor é ninho”

“E quando nada tiver graça é só sorrir que passa”

“Aonde você flor eu vou”

Lucas Brandão, o Lucão, é publicitário e poeta. Aos 33 anos, já publicou dois livros, É cada coisa que escrevo só pra dizer que te amo e Telegramas, e trabalha em sua terceira obra, um romance. Além disso, é autor da coluna Crônicas e Outras Histórias, do jornal O Popular. Ele conta que se encontrou com a poesia na literatura e escrever, o que já lhe traz muita alegria, se torna ainda melhor quando é revertido em bem para outras pessoas.

“Quando a poesia consegue prestar esse serviço à sociedade, de apoiar causas tão bonitas como a da Associação Espaço Vida, me sinto muito mais feliz e realizado com a escrita. A poesia e as questões humanas, solidárias, sociais, têm mais pontos em comum que podemos imaginar. Afinal, poesia também é afago, conforto, carinho e aconchego”, afirma Lucão.

Sobre a Associação Espaço Vida

A Associação Espaço Vida é uma instituição sem fins lucrativos que tem como missão a inclusão social de crianças, jovens e adultos com atraso e ou Transtorno Global do Desenvolvimento. Desenvolve desde 2014 um trabalho com o objetivo de oferecer uma proposta transdisciplinar inclusiva, baseada nos princípios de respeito às diferenças e no direito de todo indivíduo de possuir qualidade de vida. A associação oferece atividades desde a infância até a idade adulta, com os projetos Apreender e Profissionalização.

 


Fatal error: Call to undefined function ample_both_sidebar_select() in /home/storage/1/03/55/vitaeeditora/public_html/wp-content/themes/vitaeeditora/archive.php on line 38