All for Joomla All for Webmasters
MAIS DE 44 MIL EMPREGOS FORAM CRIADOS NA SAÚDE EM 2017

No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, houve criação de 44.505 postos de trabalho nas atividades do setor de hospitais, clínicas, laboratórios e demais estabelecimentos de serviços privados de saúde no país, totalizando o contingente de 2.144.481 trabalhadores.

Entre as atividades, destaca-se a criação de 18.612 vagas no Atendimento Hospitalar e também a geração de 7.494 vagas na atividade Médica ambulatorial. Por outro lado, a atividade de Serviço móvel de urgência gerou um saldo de 1.007 demissões.

O Estado de São Paulo representa 33% do emprego no setor de todo o Brasil e emprega 712.052 trabalhadores, tendo gerado 15.152 vagas no ano passado, com destaque para a criação de 7.357 postos na atividade de Atendimento Hospitalar.

Dados integram o Boletim Econômico da FEHOESP, lançado no final de março de 2018, e que oferece importantes dados do setor saúde a partir de estatísticas do SUS, Ministério do Trabalho, IBGE, ANS e outras fontes de dados econômicos oficiais.

O Boletim Econômico contém tabelas infográficas e textos explicativos em linguagem simples, de fácil entendimento mesmo para os que não são especializados em economia. E será atualizado periodicamente.

Segundo o presidente da FEHOESP- Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo, Yussif Ali Mere Jr. o Boletim Econômico da FEHOESP será uma importante fonte de consulta e informação para os gestores dos serviços de saúde e para a imprensa.

Cresce serviço de home care no País

O número de estabelecimentos de saúde no país teve um crescimento de 4,8% em dezembro de 2017 em comparação a dezembro de 2016. Destaca-se no período em questão o crescimento de 34% no número de unidades de atenção em Home Care.

No estado de São Paulo, o número de estabelecimentos de saúde cresceu 5,1% no ano de 2017 em relação a 2016 com destaque para as unidades de atenção em Home Care com aumento de 19,2% das clínicas e laboratórios especializados que tiveram incremento de 10,2%.

Apesar do crescimento do nível de emprego e de serviços de saúde no Brasil, o presidente da FEHOESP, Yussif Ali Mere Jr, destaca que esses números ainda são muito tímidos. “Não podemos falar em crescimento do setor. Há 3 anos, o segmento saúde criava 45 mil empregos em apenas 30 dias, portanto, esses números apontam para uma lenta e pequena recuperação da crise econômica, que também afetou o segmento saúde. Este ano esperamos uma recuperação mais expressiva”, avalia o médico.

Segundo Mere, o único segmento que teve crescimento expressivo foi o de serviços de Home Care. E o desenvolvimento das empresas de home care está diretamente ligado ao processo de envelhecimento da população brasileira. “Reflete a necessidade de uma assistência menos onerosa e com maior resolutividade. A desospitalização, nesses casos, é uma realidade”, avalia ele.

Documento da OMS-Organização Mundial da Saúde indica que o Brasil está envelhecendo acima da média mundial. Enquanto a quantidade de idosos vai duplicar no mundo até o ano de 2050, ela quase triplicará no país. Serão 64 milhões de pessoas acima dos 60 anos equivalendo a 30% da população brasileira. Atualmente os idosos representam 12,5% da população.

DROGARIAS PACHECO E SÃO PAULO LANÇAM MARCA PRÓPRIA

Grupo DPSP – Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo lançou em março/18 a sua marca própria, a Ever Care, uma linha de produtos para cuidados essenciais e diários. A linha estará disponível em todas as lojas a partir  de abril de 2018.

Nesta primeira fase de lançamento, a linha Ever Care apresenta mais de 50 itens de cuidados e assepsia, atendendo consumidores com perfis e momentos de vida diferentes. Entre os primeiros produtos da nova marca estão: hastes flexíveis, algodão, gel antisséptico, absorvente para seios, gaze estéril, curativos, atadura, fita microporosa, água boricada, água oxigenada, oficinais, luvas látex, soro fisiológico, esparadrapo, ataduras, entre outros.

“Ever care é a primeira marca própria lançada pelo Grupo DPSP. Quando iniciamos a criação e o desenvolvimento da marca, a qualidade de cada produto foi nossa prioridade. Nossos consumidores podem contar agora com uma ótima alternativa em itens essenciais com a mesma qualidade das marcas líderes de mercado. Entregamos soluções inteligentes e de bom custo-benefício para os clientes em produtos para cuidados diários”, explica o diretor Comercial e Marketing do Grupo DPSP, Roberto Tamaso.

A inserção da nova marca Ever Care está conectada à estratégia das duas bandeiras – Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo – em oferecer cuidado e bem-estar para seus consumidores. O lançamento dá início a um movimento importante para os pilares estratégicos da companhia.

O Grupo DPSP nasceu em 2011, a partir da fusão das redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo. Empregando mais de 26 mil colaboradores e atendendo mensalmente milhões de clientes, as marcas Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo carregam em seu DNA uma história de confiança e credibilidade no mercado. Isso se deve também às respectivas trajetórias individuais, pontuadas pelo respeito à prescrição médica e à ética na orientação e atendimento ao cliente. Juntas somam quase dois séculos de cuidado, respeito e proximidade, se preocupando constantemente em oferecer excelência em seus processos e a garantia da satisfação do consumidor. 

10 MANEIRAS INFALÍVEIS DE O FARMACÊUTICO TER SUCESSO COM MKT PESSOAL

POR EGLE LEONARDI

 

Há um provérbio muito conhecido, que diz: À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta! Um farmacêutico que deseja ter sucesso profissional precisa utilizar estratégias de marketing pessoal para projetar-se como competente e comprometido. O marketing pessoal tornou-se uma ferramenta essencial no processo de se conduzir, com sucesso, uma marca pessoal. Na dose certa e de forma planejada, é possível criar e desenvolver uma imagem coerente com a área farmacêutica de atuação e, com isso, conquistar melhores salários e lucros!  Os especialistas na área deram entrevista exclusiva para a Vitae Editora.

Anote: Imagem Pessoal + Competência Profissional = $ucesso!!

O farmacêutico, consultor e professor de Pós-Graduação do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Leonardo Doro Pires, é autor do livro O Farmacêutico Gestor – Gestão Estratégica para Farmacêuticos. Ele defende que conferir a devida atenção ao marketing pessoal pode assegurar bases fortes para a elaboração de qualquer projeto durante a vida profissional de um farmacêutico. “A partir do momento que se instaura uma credibilidade em relação a uma pessoa, isso passa a ser projetado em tudo que ela vier a produzir. As principais vantagens de um marketing pessoal bem realizado estão ligadas à transmissão de confiabilidade e competência profissional”, afirma ele.

Qual é a vantagem de o farmacêutico ser admirado no seu meio? Segundo o dicionário Aurélio, admiração é a disposição emocional que traduz respeito, consideração, veneração. Quando trazemos este conceito para o profissional farmacêutico, as vantagens de ser respeitado e venerado são claras. Um profissional respeitado é muito mais procurado por seus serviços, podendo traduzir essa procura em sucesso e status profissional, caso ele corresponda às expectativas de seus clientes.

“Não tenho dúvidas de que o marketing pessoal reverte em lucro para o farmacêutico! Um programa bem realizado leva o profissional para os holofotes da profissão, seja perante os clientes ou demais colegas”, dispara Pires. No varejo, a consequência da admiração gerada por um marketing pessoal bem realizado é a conquista de mais clientes e, consequentemente, maior capacidade de gerar lucro. Já na indústria, o marketing pessoal abre caminho para ascensão na carreira, sendo, juntamente com o desempenho profissional, responsável por promoções e aumentos salariais.

Para a consultora da indústria, varejo e franquias e autora dos livros Atender Bem dá Lucro, Administração de Recursos Humanos em Farmácia e Programa Prático de Marketing em Farmácias, Silvia Osso, imagem profissional é um conjunto agradável de detalhes que facilitam o entrosamento com o público. Vários aspectos compõem essa imagem: aparência, personalidade, entusiasmo e otimismo, autoconfiança, empatia, críticas e liderança.

“Tanto faz no varejo ou na indústria, ao atuar como farmacêutico, ele é um líder, porque conduz a entrevista e orienta o cliente na escolha do produto, fornece informações, tem argumentos respeitados. Se o que os clientes mais querem são informações sobre os produtos, o farmacêutico é a pessoa mais indicada para fornecê-las”, defende Silvia.

 

Acompanhe as 10 formas de construir seu marketing pessoal e ganhar mais dinheiro com isso. As informações são dos especialistas Leonardo Doro Pires e de Silvia Osso.

1 – CONSTRUA SUA IMAGEM PESSOAL NO VAREJO

Se você trabalha no varejo, o primeiro passo é definir exatamente qual imagem projetar. Há dois públicos-alvo para projeção da sua imagem: os clientes e os funcionários. Perante os clientes o farmacêutico deve se projetar como profissional de saúde, competente e seguro de suas capacidades. Já para os funcionários ele deve se projetar como líder e profissional de referência em sua área de atuação.

Uma boa opção para isso é o farmacêutico oferecer atendimento clínico, também como uma maneira de se projetar como profissional de saúde. Já para o público interno, a realização de reuniões semanais com a equipe é uma forma de promover a liderança.

2 – CONSTRUA SUA IMAGEM PESSOAL NA INDÚSTRIA

Se você trabalha na indústria, o primeiro passo é definir exatamente qual imagem projetar para esse meio. Na indústria, o farmacêutico deve se apresentar como profissional técnico e gestor, simultaneamente, demonstrando capacidade de entender o business da sua área de atuação e as especificidades tecnológicas da indústria. Para isso, deve demonstrar conhecimento dos impactos de suas ações e decisões em outros setores da empresa.

3 – IMPACTE O PÚBLICO CORRETO NO VAREJO

Para o farmacêutico poder se vender ao mercado (projetar sua imagem), é necessário saber para quem ele quer ser relevante no varejo. Pense sempre nos clientes, cuja imagem deve estar relacionada ao profissional de saúde. No caso dos funcionários, ela deve estar relacionada à liderança.

4 – IMPACTE O PÚBLICO CORRETO NA INDÚSTRIA

Para o farmacêutico poder se vender ao mercado (projetar sua imagem), é necessário saber para quem ele quer ser relevante no ambiente industrial. Vale lembrar que, nesse ambiente, o profissional farmacêutico possui três públicos-alvo para projeção da sua imagem: seus superiores, seus subordinados e os profissionais de outros setores.

Perante seus superiores ele deve se posicionar como profissional comprometido, capaz de entregar resultados e capacitado para a função.

Para seus subordinados ele deve ser um líder, capaz de conduzir a todos nos desafios do dia a dia industrial.

Já para os colaboradores de outro setor a imagem de profissional sério, influente e realizador deve ser passada de forma clara e contundente.

5 – USE AS FERRAMENTAS ADEQUADAS PARA O VAREJO

Para o farmacêutico projetar a imagem que construiu para seu público, ele precisa de ferramentas de marketing. No varejo, as ferramentas off-line são o vestuário, o comportamento e a linguagem. Como ferramentas on-line, a utilização profissional do facebook, instagram e e-mail marketing enviado para os clientes funcionam muito bem.

Vale lembrar que é muito útil utilizar o facebook para criar uma página profissional, em que o farmacêutico pode divulgar os serviços clínicos oferecidos na farmácia e dar dicas de saúde e bem-estar. O marketing de conteúdo projeta imagem de conhecimento e reverte em relevância para sua imagem pessoal.

6 – USE AS FERRAMENTAS MAIS ASSERTIVAS NA INDÚSTRIA

Para o farmacêutico projetar a imagem que construiu para seu público no meio industrial, ele precisa de ferramentas de marketing.

Na indústria, o vestuário, a linguagem e o comportamento também são fundamentais. No que tange às ferramentas online, os destaques são os grupos de whatsapp, linkedin, facebook e e-mail corporativo. Poste, com frequência, artigos com temas inéditos e relevantes para sua área. Mostre conhecimento e seja lembrado. No entanto, é fundamental se limitar a discutir apenas assuntos profissionais nesses locais.

7 – CUIDE DE SUA APARÊNCIA

O tipo de roupa importa. No varejo, prefira roupa branca ou jaleco diferenciado dos demais funcionários, com identificação de farmacêutico. Na indústria use uniforme ou camisa social e gravata, quando o cargo exigir.

É preciso investir na aparência, ter cabelos bem cortados e penteados. As mulheres podem usar cabelos longos, mas nunca soltos e caídos pelo rosto.

O rosto deve receber atenção especial. Os homens precisam de barbas feitas ou aparadas. Mulheres devem usar maquiagem leve, no máximo, batom e um realce nos olhos.

Mãos devem estar bem cuidadas e limpas e unhas bem-feitas demonstram seriedade para com o trabalho que faz. Higiene diária, como banho, uso de desodorante, higiene bucal e um leve toque de perfume são sinais básicos de cuidado. Se vc trabalha no varejo, evite perfumes que possam impactar seus clientes.

As mulheres devem observar com atenção o uso de bijuterias, adereços, fivelas, que são permitidos, mas com discrição. Sapatos adequados e bem limpos também são necessários. Evite o uso de calçados abertos, como sandálias ou chinelos.

8 – AJUSTE OS TRAÇOS DA PERSONALIDADE

Seja amistoso, sem ser íntimo demais. Transmita tranquilidade e segurança. Trate os outros com cortesia. Ser bom ouvinte e agir com sinceridade são qualidades de uma personalidade agradável, independentemente se o profissional atuar no varejo ou na indústria.

As melhores armas de venda não custam absolutamente nada. Dê prioridade ao vínculo humano, antes de se dedicar ao vínculo comercial e profissional.

Em termos de linguagem, no varejo prefira a que mescle o técnico e o coloquial, em que os termos relacionados à área de saúde estejam corretamente colocados para o paciente, mas posteriormente traduzidos para a realidade dele. Para isso, por exemplo, você pode explicar a relação entre seus hábitos alimentares e o controle de sua hipertensão, de acordo com o seu grau de compreensão.

Na indústria, prefira a linguagem técnica e de negócios. Utilize os termos técnicos corretos, inclusive aqueles ligados à língua inglesa.

9 – NO DIA A DIA, MOSTRE ENTUSIASMO E OTIMISMO

Nada substitui um contato pessoal e caloroso. Quanto mais otimista e entusiasmado o profissional for, melhor para sua imagem e para o cliente. Todos saem lucrando!

Olhe-se no espelho e avalie sua expressão facial. Evite expressões de indiferença e tristeza. Sorria quando estiver falando, pois isso faz com que o cliente ou o parceiro de negócio se sinta especial.

Demonstrar entusiasmo em colaborar é um forte aliado profissional. Todos gostam de fazer negócios com players otimistas.

Mostre autoconfiança. As boas oportunidades aparecem mais para os que confiam em si.

Pratique a empatia. Acredite, o atendimento é formado de empatia e atenção. Conhecer o cliente é tão importante quanto conhecer o produto.

Saiba ouvir crítica para se melhorar. Ideias diferentes representam uma oportunidade de aprender algo novo. Em vez de se chatear com opiniões ou pontos de vista diferentes, valorize-os, para o seu próprio crescimento profissional.

10 – EXPONHA SEU CONHECIMENTO

Lembre-se de que Imagem + Competência = $ucesso!

Para se conseguir competência é preciso ter conhecimento. O farmacêutico que tiver conhecimento terá a força e o poder em suas mãos. A força da informação, se bem usada, dá condições de direcionar a conversa e despertar a confiança em sua competência.

O cliente sempre espera que você, farmacêutico, esteja apto a responder perguntas, sanar dúvidas e resolver problemas com facilidade. É seu dever saber tudo o que puder sobre seu trabalho, os produtos que vende e os serviços que a indústria oferece.

Conhecendo mais sobre o produto ou serviço, é mais fácil demonstrar o benefício – o que lhe fará bem. Avalie realmente o que você sabe; se possuir grande parte desses conhecimentos, você está no caminho certo para ganhar dinheiro!

Mostre confiança. É importante demonstrar ao cliente ou ao parceiro de negócio que você realmente confia no que vende ou fala, e que você é confiável. Saiba que as pessoas precisam acreditar nas outras para fazer negócios.

Demonstre que é seguro negociar com você. Clientes satisfeitos e que confiam no profissional geram referências de valor incalculável. São eles que o indicam para os outros clientes, e assim você é quem sai lucrando.

Tenha foco na organização. Mantenha a ordem, a limpeza e a organização em seu local de trabalho, seja na farmácia ou na indústria. Isso tem tudo a ver com o seu marketing pessoal. Cuide sempre dos detalhes, eles podem demonstrar o seu profissionalismo. Faça a organização agir em seu favor, facilitando a vida do cliente.

No varejo, mantenha seu espaço limpo, claro e organizado. Deve-se ter uma sala em separado para atendimento farmacêutico, de preferência um consultório. Na indústria, é possível manter organizada sua estação de trabalho no modelo 5S, com mesa sem relatórios acumulados ou pendentes, entre outros detalhes.

 

IMAGEM PESSOAL + COMPETÊNCIA PROFISSIONAL = $UCESSO!

 

4 ERROS DE GESTÃO QUE PREJUDICAM AS VENDAS NAS FARMÁCIAS

É certo que o mercado tem altos e baixos, e que nem sempre as vendas vão bem. Porém, é preciso ficar atento a períodos anormais de baixa, nos quais o problema nem sempre são os preços altos ou a falta de promoções. Pequenas falhas internas podem se tornar grandes problemas orçamentários e é imprescindível corrigir os entraves das vendas o quanto antes. “Pretendemos apontar quatro erros comuns de contabilidade para farmácias que podem prejudicar gravemente as suas vendas”, afirma o CEO da Canella e Santos – Contabilidade para Farmácias, Levi Canella.

1 – Negligência na disposição das mercadorias 

Sempre que um cliente adentra um estabelecimento, ele é assaltado por diversas mensagens identificadas pela visão, o olfato, a audição e tato. Um ambiente climatizado, sem cheiros fortes e com as mercadorias organizadas de forma inteligente nas prateleiras é um convite quase irresistível ao consumo. O cliente precisa gostar de estar dentro da farmácia para assim se sentir disposto a conferir o que há em termos de cosméticos e outros produtos, além dos medicamentos propriamente ditos. Prateleiras incompletas e sem organização tornam difícil a procura por determinados produtos, sugerem amadorismo, escassez e abalam a credibilidade da farmácia.

2 – Equipe sem treinamento e desmotivada

A questão do atendimento na farmácia sempre será um grande desafio para qualquer empresário desse setor. Clientes mal atendidos não pensarão duas vezes em se fidelizar na concorrência e, por essa razão, é preciso ter bom senso na hora de treinar a equipe e cobrar resultados. Clientes que se automedicam não possuem, de um modo geral, amplo conhecimento a respeito dos medicamentos e da sua composição. Por isso, não é recomendável encarregar colaboradores despreparados para funções que envolvem manipulação de medicamentos, fornecimento de informações e outras. Além disso, é importante também que os colaboradores encarregados das vendas estejam bem informados a respeito de tudo o que é comercializado dentro da farmácia. Conceder prêmios, folgas, promoções e bônus, sempre que possível, é fundamental para que a equipe se sinta motivada e sempre disposta a vender mais, melhor e de boa vontade.

3 – Falta de conhecimento em fundamentos de gestão e contabilidade

Se você está à frente do negócio e carece de informações sobre como gerenciar sua farmácia, não pense duas vezes antes de contratar uma empresa ou profissional especializado em assessoria empresarial para farmácias e drogarias. Contar desde o início com a ajuda de alguém capacitado e experiente ajuda a evitar gastos desnecessários e falhas que geram prejuízo, tanto em curto como em longo prazos. Esse profissional saberá indicar exatamente onde está o entrave de suas vendas e traçará um plano estratégico eficiente para combater o problema.

4 – Poucos serviços à disposição

Quanto mais pessoas frequentarem a sua farmácia, tanto melhor: mais referências poderão ser passadas a outros possíveis clientes e mais se falará a respeito do seu negócio. É de extrema importância que o nome da sua farmácia esteja sempre na mente dos seus clientes e das pessoas que moram nas proximidades. Por essa razão, ofertar o máximo de serviços possíveis é fundamental para alavancar as vendas. Aferição de pressão, balança disponível e gratuita e teste de glicemia são alguns exemplos de serviços que contribuem para aumentar o fluxo de clientes nas farmácias. É interessante que alguns desses serviços sejam gratuitos.

10 passos para dispensação de antibióticos em farmácias

10 passos para dispensação de antibióticos em farmácias

A desinformação da população brasileira sobre o uso racional de antibióticos é preocupante e, em alguns casos, chega a ser considerada até motivo de piadas! Um exemplo disso foi a viralização, nas redes sociais, do depoimento de uma jovem, em um talkshow da Rede TV em 2016, afirmando que havia engravidado de um antibiótico. Claro que houve uma abordagem sensacionalista sobre o tema, mas o fato é que alguns antibióticos diminuem ou anulam o efeito dos anticoncepcionais orais. O pior é que, no programa, em momento algum isso foi mencionado ou lembrado.

Outro exemplo factual do consumo irracional de antibióticos está na pesquisa do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, realizada em 2014. O estudo apontou que 18,4% dos brasileiros pesquisados em 16 capitais consumiram antibióticos sem prescrição médica e sem a orientação farmacêutica nos 12 meses que antecederam à pesquisa. A capital com o maior índice desse consumo irregular foi Goiânia (GO), com 33%.

Frente a tanta desinformação e uso irregular desse tipo de medicamento, ficam as perguntas: o que fazer para ampliar a informação à população sobre o uso racional de antibióticos? Qual é o papel do farmacêutico na dispensação desse tipo de medicamento na farmácia? Quais passos ele deve seguir na orientação ao paciente?

O professor do ICTQ, Alexandre Massao Sugawara, que ministra Farmacologia e Atenção Farmacêutica diz que a dispensação de antibióticos em farmácias e drogarias públicas e privadas se dá mediante a retenção da segunda via da receita, devendo a primeira via ser devolvida ao paciente. “Mais que isso, o papel do farmacêutico em suas atribuições clínicas deve observar as metas da farmacoterapia ideal, assegurando um uso necessário, aderente, efetivo e seguro. A prescrição inadequada, falhas de adesão e inefetividade terapêutica podem levar ao desenvolvimento de resistências bacterianas. Cabe ao farmacêutico observar em seguimento farmacoterapêutico tais aspectos da farmacoterapia e propor intervenções farmacêuticas”, fala Sugawara.

Ele afirma que a intervenção em uma prescrição desnecessária de antibióticos deve ser baseada em diretrizes e protocolos clínicos que subsidiem o médico prescritor para uma reanálise. As falhas de adesão podem ser minimizadas com melhoria do conhecimento e colaboração do paciente ao tratamento. Além isso, ferramentas de suporte, como adesivos de lembrança e símbolos de horário, são bem-vindos.

A inefetividade terapêutica é sinal de baixa sensibilidade ao antibiótico à cepa do micro-organismo infectante, aqui novamente um encaminhamento ao médico prescritor se faz necessário. As inseguranças clínicas devem ser sempre monitoradas pelo farmacêutico. Este acompanhamento deve ser registrado em prontuário na farmácia. “Alguns transtornos menores associados ao uso de antibióticos, como diarreias e náuseas, podem ser tratados com prescrição farmacêutica. Queixas e sintomas mais graves e prolongados, sobretudo em gestantes e crianças, devem ser encaminhadas ao médico”, afirma o professor.

A farmacêutica Michelle Dweck lembra que a política para retenção de receitas prescritas de antibióticos vem por um histórico de uso indiscriminado de maneira incorreta. Assim, cabe aos farmacêuticos orientar o seu uso, isto é, fazer uma boa dispensação, fornecendo orientação no ato de entrega e da venda do medicamento. É ela quem indica os 10 passos na hora de dispensar antibióticos. Confira:

1 – Certifique se a prescrição esta legível. Caso positivo, veja se está com a dose correta (de acordo com a dose usual). Caso haja ilegibilidade lembre-se de que isto invalida a prescrição, mas é possível tentar entrar em contato com o prescritor para validar a receita. Isso ajuda a todos os lados, prescritor, paciente e farmácia.

2 – Verifique se a prescrição está datada, dentro do prazo de validade para uso e tempo de tratamento. A receita de antimicrobianos é válida em todo o território nacional, por dez dias, a contar da data de sua emissão. Em situações de tratamento prolongado a receita poderá ser utilizada para aquisições posteriores dentro de um período de 90 dias.

3 – Complete com dados do paciente e do prescritor. No ato da dispensação, devem ser registrados nas duas vias da receita os seguintes dados: I – a data da dispensação; II – a quantidade aviada do antimicrobiano; III – o número do lote do medicamento dispensado; e IV – a rubrica do farmacêutico, atestando o atendimento, no verso da receita. As receitas e notas fiscais de compra devem ficar retidas pelo prazo de dois anos para fins de fiscalização sanitária. A dispensação é na quantidade adequada, porém não é permitido o fracionamento.

4 – Na substituição por genérico – caso não esteja prescrito o nome genérico, apenas o de referência ou similar, lembre-se de que não podem ser trocados, a não ser que esteja prescrita a denominação comum brasileira (DCB).

5 – Informe o paciente: o medicamento genérico passa por testes de bioequivalência e biodisponibilidade e temos grande confiança em sua segurança e eficácia – Cabe a você farmacêutico, informar ao usuário dessa garantia de segurança.

6 – Explique ao paciente que é lenda urbana o fato de que, ao tomar o antibiótico com leite, o medicamento não vai prejudicar o estômago. Dependendo do antibiótico, na verdade, não haverá a absorção nem do antibiótico nem mesmo do cálcio do leite.

7 – Antibiótico, e qualquer outro medicamento, se toma com água. O ideal é utilizar um copo de, ao menos, 200 mL.

8 – Indicar ao usuário para ter cuidado também com os horários, pois se o antibiótico foi prescrito de oito em oito horas, ele não deve ser tomado no café da manhã, no almoço e no jantar. Temos que manter os picos do medicamento para garantir o seu efeito. Oriente sempre para que o medicamento seja ingerido nos horários corretos. Vale dar a dica de usar despertador, lembrete no celular ou até aplicativos que ajudam neste tipo de tratamento.

9 – Oriente às mulheres em idade fértil, que utilizam como único método contraceptivo a pílula anticoncepcional, principalmente as de baixo teor de hormônios, que seu uso concomitante ao antibiótico reduz o efeito da pílula. Isso pode gerar uma gravidez indesejada. Sugira o uso de outro método anticoncepcional, além da pílula, como o preservativo durante o tratamento com antibiótico.

10 – Diga ao usuário para evitar as bebidas alcoólicas, que podem ter grandes interações com os antibióticos, pois ambos são metabolizados no fígado, em sua grande maioria.

Matéria publicada no Portal de Notícias do ICTQ.


Fatal error: Call to undefined function ample_both_sidebar_select() in /home/storage/1/03/55/vitaeeditora/public_html/wp-content/themes/vitaeeditora/archive.php on line 38